Qual a diferença entre palavras homônimas, homógrafas e parônimas

Categorias apresentam diferenças importantes entre elas e é preciso atenção no momento de usá-las

Por Assessoria 23/11/2021 - 21:38 hs

Qual a diferença entre palavras homônimas, homógrafas e parônimas
Foto: Suzy Hazelwood/Pexels

Algumas palavras da língua portuguesa podem ser iguais ou parecidas na pronúncia e na grafia, mas possuírem significados diferentes. São os homônimos e parônimos, elementos estudados pela semântica, área que trabalha os significados de uma palavra, uma frase ou uma expressão dentro de um contexto. Essas categorias apresentam diferenças entre elas e é preciso estar atento no momento de usá-las.

                                                           

Em artigo publicado no canal Mundo Educação, da UOL, a professora de português e literatura, Vânia Maria do Nascimento Duarte, ressalta a importância do significado de uma palavra como fator preponderante na formulação de discursos, na oralidade, mas principalmente na escrita.

 

Nesse sentido, para evitar equívocos e problemas de comunicação, é fundamental apostar em recursos que ajudem na construção do enunciado, como a leitura constante e o uso de dicionários.

 

Na língua portuguesa, a paronímia é o fenômeno linguístico de semelhança estrutural, ou seja, palavras que possuem escrita e pronúncia parecidas, mas com significados diferentes. Já a homonímia designa palavras que possuem estrutura igual, mas com significados distintos.

Homônimos dividem-se em outras categorias

Os homônimos são palavras que apresentam igualdade ou semelhança relativa ao som ou à grafia, mas com significados diferentes. Dentro desse grupo, as palavras homônimas se subdividem em três categorias, homógrafos, homófonos e homônimos perfeitos.

 

Os homógrafos são palavras que apresentam grafias iguais, mas diferem no som da pronúncia e no significado. Alguns exemplos ressaltados no artigo da professora Vânia Maria são as palavras “almoço”, como substantivo, e “almoço” como verbo.

 

Pode-se pensar duas aplicações para esclarecimento sobre homógrafos, como “Hoje o meu almoço será mais tarde.”, para o caso do substantivo, e “Eu almoço sempre fora de casa.”, para o caso do verbo. As homógrafas “colher”, como substantivo, e “colher”, como verbo, também são exemplos.

 

Os homófonos, por sua vez, são palavras com pronúncia igual, mas com distintos significados e grafias. Alguns exemplos são as palavras “acender”, de atear fogo, e “ascender”, de subir; “acento”, de sinal gráfico, e “assento”, de local para se sentar; “caçar”, de pegar animais, e “cassar”, de anular.

 

A classe dos homônimos perfeitos engloba as palavras que são iguais tanto no som quanto na grafia, mas que têm significados diferentes. Os exemplos incluem as palavras “cedo” como advérbio e como verbo, que podem ser aplicadas, respectivamente, nas frases “Amanhã preciso acordar cedo.”, e “Hoje eu cedo às suas vontades.”. As palavras “caminho” como substantivo e como verbo, e “livre” como adjetivo e como verbo também são exemplos de homônimas perfeitas.

O travessão entre a rede e a escrita

 

O travessão é um exemplo de palavra homônima perfeita, pois tem grafia e pronúncia iguais tanto para se referir ao sinal de pontuação quanto ao elemento de futebol. Contudo, em cada caso, apresenta um significado diferente.

 

Como sinal de pontuação, o uso do travessão é feito em diversas circunstâncias, como para indicar falas de diálogos de personagens, para dar ênfase a determinada palavra ou expressão, para denotar pausa na leitura, entre outras aplicações.

 

Já o travessão no futebol se refere à trave. Ela é composta de dois postes paralelos em posição vertical e eles, por sua vez, são unidos na parte superior por outra barra na horizontal chamada travessão. A estrutura, por final, é completada com a rede que amortece a bola.

Entenda os parônimos e conheça alguns exemplos

 

Em seu canal do Youtube, Pasquale Cipro Neto, o Professor Pasquale, explica sobre parônimos com diversos exemplos. Trata-se de palavras com grafia e pronúncia semelhantes, mas significados distintos.

 

Um dos exemplos destacados pelo professor compara as palavras parônimas “eminente”, que significa algo elevado que excede os outros, e “iminente”, algo que está em via de se efetivar.

 

O Professor Pasquale alerta para o risco de usar essas palavras, pois, se trocadas, podem transmitir um sentido muito diferente do desejado, o que provoca ruídos significativos na comunicação.

 

Dizer fragrante ou flagrante, por exemplo, pode trazer confusões, porque o primeiro termo significa a qualidade de algo que tem fragrância, odor ou cheiro; o segundo significa fato observado ou comprovado no momento em que ocorre, como uma prisão em flagrante.