Cena rara de onça-pintada e filhote é registrada na Mata Atlântica

Este é o primeiro filhote avistado na porção paranaense da Serra do Mar. Para pesquisadores, o evento indica que o habitat favorável está recuperando as condições saudáveis para sobrevivência e reprodução da espécie, seriamente ameaçada de extinção

Por Assessoria 21/07/2021 - 18:55 hs

O registro de uma onça-pintada com seu filhote chamou a atenção de pesquisadores do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar. As raras imagens captadas no trecho paranaense da Serra do Mar são resultado de um monitoramento que a equipe conduz em 17 mil quilômetros quadrados de Mata Atlântica entre os estados de São Paulo e Paraná. A área integra a Grande Reserva Mata Atlântica, o maior remanescente contínuo do bioma no Brasil e que reúne inúmeros atrativos turísticos históricos, culturais e de natureza. A onça-pintada (Panthera onca) é o maior felino das Américas e o terceiro do mundo, classificada na Mata Atlântica como criticamente em perigo por já ter perdido 85% de seu habitat.

“O filhote, que segue a mãe no vídeo, parece já ser mais velho. Segundo pesquisas, eles acompanham a mãe até os dois anos de vida”, explica o biólogo Roberto Fusco, responsável técnico do Programa. “Com toda a pressão que a Mata Atlântica vem sofrendo com desmatamentos, mudanças climáticas e caça ilegal, este registro é super importante. Indica que a região apresenta condições saudáveis, permitindo não só a sobrevivência da espécie na área, mas também a reprodução.”

Pesando entre 60 e 160 quilos, a onça-pintada é uma das espécies-símbolo do Brasil, ilustrando, inclusive, a cédula de 50 reais. Apesar disso, corre sério risco de desaparecer na Mata Atlântica, onde estima-se que o número seja inferior a 300 indivíduos.

O Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar monitora a onça-pintada, a anta (Tapirus terrestris) e o queixada (Tayassu pecari) em uma área de Mata Atlântica equivalente a 11 cidades de São Paulo para gerar informações para planejamento de conservação e ajuda a criar estratégias mais efetivas para proteção e recuperação das populações desses animais. O pesquisador explica que por ser um animal que está no topo da cadeia alimentar e precisar de grandes áreas preservadas para sobreviver, a onça desempenha importante papel no equilíbrio dos ecossistemas.

“A preocupação é pela viabilidade das espécies a longo prazo, que já estão ameaçadas de extinção. Grandes mamíferos são extremamente vulneráveis à perda de habitat e à pressão de caça, sendo os primeiros a desaparecerem, o que pode gerar um enorme impacto. O desaparecimento da onça, por exemplo, pode gerar impacto em todo o ecossistema, por meio de um efeito cascata, que começa com o aumento de suas presas, geralmente herbívoros, que por sua vez impactam a composição e estrutura da vegetação.Essa bagunça no ecossistema pode trazer efeitos imprevisíveis, como a perda de biodiversidade, alteração na composição do solo, aumento de espécies exóticas e até mesmo liberar patógenos que afetam a saúde humana”, explica Fusco, que também é membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN).

Para Marion Silva, gerente de Ciência e Conservação da Fundação Grupo Boticário, uma das organizações apoiadoras do programa, o registro reforça a importância de projetos e pesquisas que contribuam com a conservação dos habitats de espécies ameaçadas de extinção. “A pesquisa científica tem demonstrado a relação direta entre estes dois processos. Além disso, a natureza preservada oferece oportunidades de negócios sustentáveis, como a observação de fauna, que dão alternativas socioeconômicas à população local”, afirma.

Características

Originalmente, a onça-pintada era encontrada desde o sudoeste dos Estados Unidos até o centro-sul da Argentina e Uruguai, habitando diferentes tipos de ambientes, como florestas tropicais e subtropicais até regiões semidesérticas.

Devido à perda de habitat por ações realizadas pelo homem, atualmente é considerada extinta nos EUA, se restringindo às planícies costeiras do México, países da América Central (com exceção de El Salvador) e na América do Sul (exceto Uruguai). No Brasil, ela originalmente ocupava todos os biomas, mas não há mais relatos da espécie na região do Pampa.

O animal geralmente evita locais com atividades humanas. As onças podem ser ativas durante o dia e à noite, mas têm hábitos solitários. Se alimentam de vertebrados de médio e grande porte, como anta, porco-do-mato, veado, tamanduá, capivara, jacaré e quati. Machos e fêmeas encontram-se apenas no período reprodutivo, gerando em média dois filhotes por ciclo gestacional.

Sobre o Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar


O Programa de Monitoramento e Conservação de Grandes Mamíferos na Grande Reserva Mata Atlântica é uma iniciativa idealizada por pesquisadores do Instituto Manacá e do Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC). O objetivo é implementar o monitoramento de grandes mamíferos em larga escala, promovendo uma agenda territorial integrada nas ações de proteção e manejo das espécies, assim como sensibilizar a sociedade civil da importância da região para a conservação da vida selvagem. São monitorados 17 mil quilômetros quadrados nos estados de São Paulo e Paraná – uma área equivalente a 11 cidades de São Paulo.

Sobre a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza

A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores. Acesse o Guia de Fontes em www.fundacaogrupoboticario.org.br

Sobre a Fundação Grupo Boticário

Com 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.