Nômade digital: saiba como esta nova tendência modificou o turismo mundial

Diferentes áreas relacionadas ao turismo se adaptaram para receber trabalhadores que desejam fazer home office em lugares diferentes

Por Assessoria 22/02/2021 - 19:01 hs

Durante a quarentena, muitas empresas e funcionários foram apresentados aos desafios do home office, que depois de um período de adaptação também mostrou suas comodidades. As vantagens são tantas que, de acordo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), 30% das empresas brasileiras pretendem manter o trabalho remoto mesmo após a pandemia.

A partir desta perspectiva, de que esta é uma realidade que veio para ficar, os trabalhadores começaram a encontrar formas de tornar o trabalho menos estressante e mais prazeroso. Em todo o Brasil, pessoas descobriram a liberdade do home office e decidiram trabalhar enquanto viajam pelo mundo. Assim se consolidou o termo nômade digital, aquele que continua conectado e cumprindo suas obrigações, mesmo estando em novos lugares.

Adaptações de hotéis

Na busca de atrair este novo perfil de turista, os hotéis estão investindo em adaptar suas estruturas, oferecendo espaços silenciosos e com boa conectividade à internet, ou até mesmo uma parte adaptada do próprio quarto para que o hóspede trabalhe.

Alguns locais aceitam locação durante o horário comercial, das 8h às 20h, com preço mais baixo, para aqueles que desejam apenas um lugar calmo para cumprir seus afazeres e voltar para casa – o chamado room office. Já outros se equiparam para que seus hóspedes possam trabalhar com qualidade e depois desfrutar do lazer oferecido no local.

É o caso também do modelo resort office, que oferece estrutura completa, em especial àqueles que encontraram passagens aéreas promocionais e decidiram levar a família toda. A intenção é que o ambiente permita que os filhos possam assistir às aulas online e os pais possam trabalhar durante certa parte do dia, para depois se divertirem nas dependências do hotel – tudo isso seguindo as regras de ocupação e distanciamento.

Adaptações de países

Até mesmo países inteiros estão entrando na onda dos nômades digitais e concedendo vistos para quem tem renda vinda do trabalho remoto e quer viver em outra nação por um tempo.

Um exemplo é a Estônia, na Europa, que criou um visto especial para que estrangeiros possam viver e trabalhar remotamente no país por até um ano. De acordo com os planos do governo da Estônia, 1.800 vistos serão concedidos por ano.

Entre a Europa e a Ásia, a Geórgia, país vizinho da Turquia, também está permitindo a entrada e permanência de profissionais de outros países por seis meses, com a condição extra de uma quarentena obrigatória de 14 dias para todos que chegaram ao país por este programa.

No Caribe, o governo da ilha de Barbados anunciou o “selo de boas-vindas de 12 meses”, que funciona como um visto de um ano para quem deseja trabalhar na ilha.