A Universidade Livre do Tropeirismo, terá centros de pesquisas , voltados para as origens das manifestações culturais advindas das atividades tropeiras.

Por Assessoria 14/05/2018 - 10:49 hs

Saber com exatidão, quais eram os reais usos e costumes dos tropeiros; o que eles faziam nos momentos raros  de descanso  e de longas esperas   para que os rios baixassem e fosse possível  atravessar  o gado Muar e bovino)  nos vaus (  local  mais raso de um rio, onde propiciava a passagem de tropas),  é um  dos objetivos dos centros de pesquisa da UNILT: "Teremos pelo menos um centro de pesquisa em cada estado ( Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Minas Gerais)  e estes estarão integrados, através de nossa sede na histórica cidade da Lapa no Paraná" , explica Márcio Assad coordenador geral da Universidade Livre do Tropeirismo, que já  propôs em audiência pública , sobre regionalização do Turismo ,  realizada no dia 2 de março de 2018 em Sorocaba, por iniciativa da Câmara Municipal , capitaneada pelo vereador Luis Santos, que naquela cidade, pela relevância dos dois temas ( tropeirismo e ferrovia) , que o centro de pesquisas , seja internacional ( alcançando os países do Cone Sul das Américas, que estão no nascedouro do ciclo do tropeirismo) e também verse  sobre a temática ferroviária.

 No próximo dia 28 de maio,  Assad estará novamente em Sorocaba, para outra audiência pública  e também para  cumprir longa agenda regional, onde os avanços desde o último encontro serão anunciados. Esta movimentação possui amplo apoio institucional como  a Frente para o Desenvolvimento do Turismo em Sorocaba e Região, da ACTTIR -  Associação Cultural de Tradição Tropeira de Iperó e Região, que tem a frente o tropeirista Edson Nogueira ( Pacote) ,  Associação  Cultural Tropeira de Cerquilho, coordenada pelo tropeirista Ede Gando , do Caminho Paulista dos Tropeiros, que tem a frente Orailson  Pereira ( delegado Regional de turismo). Também fará parte dessa ampla discussão o Deputado João Caramez  autor  da Lei 14.078,  que deu o nome de Caminho Paulista das Tropas à rodovia SP 259, que começa na SP 249 (Bairro da Capelinha) e se prolonga até o perímetro urbano do município de Itararé, cruzando a SP 267 e a SP 258.

ENCONTRO COM ALMIR SATER

Márcio Assad em recente encontro com o cantor, compositor e ator: Almir Sater, explanou sobre seus planos em relação a cultura tropeira e o resgate das suas formas originais de manifestação. Almir Sater louvou a ideia e se colocou ao dispor para novos contatos acerca do tema, quando do desenvolvimento das pesquisas. Assad , agradeceu e destacou que Almir Sater é um dos ícones da musica de raiz e com sua viola, nos brinda com canções que muito tem a ver com a lida tropeira. Assad enfatiza ainda que pelas pesquisas já iniciadas a viola era o instrumento genuíno na animação dos tropeiros, bem como a catira ( ou cateretê )  ,  dança que reúne traços europeus, indígenas e africanos  , registrada  desde o período colonial no Brasil, seria bastante difundida como manifestação associada as atividades dos tropeiros, o que explica sua característica mais marcante, a qual reúnia somente homens. Estudiosos apontam que como eles faziam o transporte de gado entre os locais, provavelmente, a dança tenha surgido nos momentos de descanso e descontração do grupo.

A audiência púbicar , do dia 28 em Sorocaba, também tratará sobre ferrovia, unindo o binômio do trabalho realizado ha mais de três por Márcio Assad, denominado: Do Caminho das Tropas aos Caminhos de Ferro. 

Maiores informações sobre a UNILT e seus centros de pesquisas, entrar em contato pelo fone: 41 999861011.