Desenvolvimento sustentável: Curitiba abre guerra contra os canudinhos de plástico

Após o Rio de Janeiro banir o fornecimento de canudos de plástico em estabelecimentos comerciais, chegou a vez da capital paranaense se adaptar à nova era

Por Assessoria 10/01/2019 - 16:48 hs

CURITIBA, 10/01/2019 – Banir os canudinhos de plástico. Pode parecer besteira, mas é uma solução viável e prática para lidar com o lixo nos oceanos. De acordo com um relatório britânico sobre a situação dos mares publicado pela Foresight Future of the Sea Report, cerca de 70% do entulho no mar é plástico. Desde que o Rio de Janeiro proibiu o fornecimento de canudos descartáveis em estabelecimentos comerciais, em 2018, o assunto ganhou muita repercussão no Brasil. Agora é a vez de Curitiba se adaptar à nova era dos reutilizáveis.

 

Um projeto de lei da vereadora Maria Leticia Fagundes (PV), com emenda assinada pelos vereadores Goura (PDT) e Professor Euler (PSD), tramita na Câmera Municipal de Curitiba pretende obrigar restaurantes, lanchonetes, bares e estabelecimentos similares a ofertar apenas canudos comestíveis ou de papel biodegradável, individual e hermeticamente embalados com material biodegradável. Além disso, a partir de 1º de janeiro de 2020, opoder público municipal seria proibido de comprar de canudos de plástico.



 

De olho nesta nova tendência do mercado, vários empreendedores curitibanos estão adaptando seus negócios. Ao abrirem a Cookie Stories, no começo de 2018, as irmãs Camila e Rafaela Camargo jamais pensariam que uma ação tão simples, como colocar a venda de canudos reutilizáveis teria um impacto tão positivo. As empresárias, que comandam um dos estabelecimentos de maior sucesso em Curitiba, sempre acreditaram que a loja deveria ter em seus valores a responsabilidade social. “Não é porque trabalhamos com doces e cafés, que não temos impacto sobre a sociedade. Se quisermos mudar o mundo em que estamos, devemos começar por nós e não apenas esperar que as coisas se ajeitem sozinhas”, explica Camila.

 

Na Cookie Stories, é possível adquirir o Kit Ecológico com o canudo reutilizável de inox, escovinha para limpar e o saquinho de bottons por R$ 40. Para Rafaela, o novo produto é capaz de mostrar aos consumidores uma proposta de valorização do seu produto. “Apesar de custar mais que um canudo convencional, o reutilizável substitui o vilão de plástico – e pode ser guardado para sempre”, detalha Rafaela Camargo.

 

Claro, muitas pessoas ainda resistem ao canudo reutilizável, principalmente pelo seu custo. No entanto, deve-se entender que a medida é mais paliativa do que lucrativa. Além disso, o banimento do plástico é cada vez mais recorrente. Em Fernando de Noronha, por exemplo, já não são permitidos o consumo e o comércio de canudos, copos, pratos, talheres, sacolas e garrafas plásticas inferiores a meio litro. No futuro, ainda, haverá o fim do uso de isopor, podendo gerar penalidades para quem não respeitar a lei.

 

A Cookie Stories fica na Rua Moysés Marcondes (nº 429), no bairro Juvevê, e funciona de segunda a sexta, das 12h às 19h, aos sábados, das 11h30 às 18h e nos domingos, das 14h às 18h30. Já a Cookie Street fica na Av. Vicente Machado (n° 554), no Centro de Curitiba, e funciona de segunda a sexta, das 8h às 18h. Mais informações na página oficial da Cookie Stories no Facebook ou no site www.cookiestories.com.br.