Gaeco investiga alvarás e descobre trama eleitoral que derrotou Leprevost em Curitiba, diz colunista

17/06/2017 - 12:42 hs

O Gaeco, braço policial e de investigação do Ministério Público Estadual, aponta um importante secretário municipal como envolvido numa trama ardilosa que pode ter alterado o resultado final da eleição de 2016 – isto é, de provocar a derrota do candidato Ney Leprevost (PSD) e assegurar a vitória de Rafael Greca (PMN) no segundo turno, disputado em 30 de outubro. Outros envolvidos são uma ex-secretária e servidores de carreira da área de urbanismo da prefeitura. A informação está na coluna de Celso Nascimento, da Gazeta do Povo.

O colunista relembra que, uma semana antes da eleição, pesquisa Ibope retratava uma tendência visível dos eleitores curitibanos ao apontar que a chance de Leprevost ganhar a eleição era iminente. Sondagem divulgada no dia 21, registrada no TRE, indicava que Leprevost vinha crescendo em relação às pesquisas anteriores e já somava 53% das intenções de voto contra 47% de Greca.

Foi quando se acendeu nos comitês de campanha de Greca o pavor da derrota iminente. A situação periclitante exigia resposta tão rápida quanto bombástica para frear o crescimento do adversário. Nem que para isso fosse necessário arranjar meios escusos para atingir o fim desejado.

Foi o que fizeram os luas-pretas de Rafael Greca. O que se fez nos dias finais da campanha foi anunciar insistentemente que “verdades surpreendentes” contra Leprevost seriam reveladas no programa eleitoral gratuito do domingo anterior ao da eleição.

A “bomba” explodiu na data marcada. Consistiu em afirmar que, com a ajuda do deputado Ney Leprevost, seu irmão João Guilherme, empresário do setor de entretenimento, havia feito acordo espúrio com o Instituto Paranaense de Cegos (IPC) ao alugar um terreno de propriedade da instituição filantrópica para nele construir um centro de eventos – suposto desvio de finalidade e contrário às antigas disposições presentes nos atos de doação da área pelo município ao instituto.

A partir daí, de fato, os números começaram a virar contra Leprevost. No dia 29, véspera da eleição, o Ibope concluiu nova rodada de pesquisa indicando a “virada”, mas ainda em situação de empate técnico: 51% para Greca, 49% para Leprevost. No dia seguinte, contados os votos, Greca venceu com 53%.

Saiba como o Gaeco descobriu, talvez sem querer, os bastidores da tramoia eleitoral, lendo aqui a coluna completa de Celso Nascimento.